Com alta da gasolina, procura por conversão aumenta

Motoristas destacam economia de combustível e benefícios ao meio ambiente

Nos últimos 3 anos, com os constantes aumentos no preço da gasolina, a conversão de veículos ao sistema de gás natural veicular (GNV) no Brasil cresceu em torno de 50%. A informação é da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás).

Em todo o país, segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), já há 1,9 milhão de veículos convertidos ao GNV. A troca pelo sistema GNV tem ganhado adeptos por gerar economia de 50% em veículos movidos à gasolina e 55% nos que funcionam a álcool.

A procura só não é maior porque muitos usuários reclamam da falta de locais de abastecimento. No Brasil, segundo a Abegás, são 1.576 postos de abastecimento de GNV.

Conforme o gerente de planejamento estratégico da Abegás, Marcelo Mendonça, “temos notado um avanço muito grande na conversão de veículos leves, mas ainda não notamos isso em relação aos veículos pesados, que é algo que pode ser feito. A economia do GNV em relação ao diesel é de ao menos 70%”, afirma.

Para a conversão, Mendonça afirma que ela deve ser feita com alguns cuidados, como em oficinas autorizadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). “Os equipamentos a serem usados também devem ter o selo do Inmetro, assim como os órgãos de inspeção, que é quem vai atestar que o equipamento instalado segue as normas de segurança e funcionamento do Inmetro”, completa.

“Paguei o investimento em cinco meses”

O motorista Marcio Pedro Wille, representante da WM Extintores de Segurança, percorre até seis mil quilômetros por mês. O gasto com gasolina chegava a R$ 2 mil. Há um ano e meio fez a conversão do carro para ao sistema de GNV. “A economia chega a 50% no combustível, sem falar que não temos nenhum impacto ao meio ambiente”, destaca. Na época o investimento chegou a R$ 5 mil, valor pago em cinco meses.

Outro mudança percebida foi o aumento da média de quilômetros rodados. De 11 km por litro de gasolina, passou para 15 km com metro cúbico de GNV. Entre os pontos negativos cita a baixa autonomia do cilindro. “Hoje preciso abastecer uma vez por dia. Deveria ter uma capacidade de armazenar pelo menos o suficiente para rodar 600 km”, aponta.

Despesas reduzidas em 50%

O empresário Joares Vargas, é proprietário de cinco táxis. O sistema de GNV foi instalado em todos os veículos faz oito meses. Ele contou que não deve voltar a usar a gasolina, por causa dos aumentos. “O gás acaba sendo uma opção para quem trabalha com transporte, porque a gente sempre anda mais. Eu consigo economizar 50%. Consigo fazer até 20 km por metro cúbico”, calcula.

Por dia os veículos chegam a rodar até 3 mil quilômetros. Para Vargas, com a mudança conseguiu retomar a lucratividade. “Pagava para trabalhar. Estava impossível ter lucro rodando com gasolina. Se não fosse o GNV, com certeza teria parado”, revela.

Outra vantagem apontada é o fato do GNV ser um combustível 100% puro, sem ter riscos de adulteração. “A combustão do GNV tem baixíssimo nível de resíduos, o que aumenta a vida útil do carro”, finaliza.

Posto de abastecimento

Em Lajeado, os motoristas podem abastecer seus veículos no Posto do Arco – Charrua, localizado na rodovia RS 130, Km 72,8.
Conforme Raymundo Manoel Monteiro Neto, responsável pela GNV e Manutenção da Distribuidora Charrua, o segmento mantém um crescimento de 3% ao ano, em volume de gás natural veicular comercializado no RS. “Possuímos uma equipe qualificada para atender bem seus clientes e esclarecer qualquer dúvida quanto à instalação e vantagens do sistema”, comenta