DÁ PARA TROCAR DE MARCHA SEM PISAR NA EMBREAGEM?

Alguns tipos de veículos permitem o procedimento, que pode ocasionar danos graves à transmissão

Sim, é possível. Mas o risco de você danificar sua caixa de câmbio não compensa a artimanha. Esse tipo de troca de marcha é muito comum em carros de corrida: nos modelos da Stock Car e Fórmula 1 a embreagem só é acionada nas largadas e nas saídas de box.

Entretanto, mesmo nesses veículos, os motores contam com auxílio eletrônico para garantir que a rotação esteja adequada para a troca solicitada pelo piloto.

Para fazer a chamada troca de marcha “no tempo” é preciso deixar a rotação do propulsor dentro de uma estreita faixa em que a rotação dos eixos no interior do câmbio seja a mesma.

Se houver diferença, não será possível mover a alavanca de troca de marchas com facilidade — e se o motorista insistir, poderá haver quebra de dentes das engrenagens.

Facilidade moderna

Disco-de-embreagem-submetido-a-uso-excessivo (Foto: Francisco Satkunas)

Para quem acha ruim ter que pisar na embreagem para trocar de marcha, saiba que poderia ser pior.

Até meados dos anos 1970, ainda existiam modelos sem marchas sincronizadas. Por conta disso, para trocar as relações era preciso pisar na embreagem duas vezes.

Na primeira, acionava-se o pedal, deixava o câmbio em ponto morto e soltava a embreagem. Em seguida, era preciso apertar novamente o pedal para, aí sim, engatar a marcha.

A sincronização da marcha faz com que as velocidades da relação engatada seja a mesma da que será selecionada.

Por questão de custos, muitos carros não têm, até hoje, a ré sincronizada. Neles acontece aquele ruído característico, de marcha “arranhando”, caso a ré seja acionada com o veículo em movimento.

  • E  o que acontece se eu engatar a ré com o carro em movimento?

Câmbio manual do Ford Focus 1.6 SE Plus (Foto: Leo Sposito / Autoesporte)

Talvez você nunca tenha pensado no assunto, talvez morra de curiosidade para descobrir. Foi pensando nisso que decidimos revelar: o que acontece se engatarmos a marcha ré em alta velocidade? Conversamos com Nilton Monteiro, diretor adjunto da AEA (Associação Brasileira de engenharia Automotiva, para descobrir.

 Você só irá conseguir engatar a ré de fato em alguns carros automáticos e em baixíssimas velocidades. A reação será muito brusca e o carro irá parar. Em altas velocidades, um sistema de proteção evita que a transmissão aceite esse comando. Alguns veículos possuem inclusive trava na manopla.

E se o carro for manual?

Neste caso, o motorista não consegue engatar a marcha ré porque a engrenagem está virando no sentido ao contrário e não “encaixa”. Prepare-se para ouvir os dentes arranhando uns nos outros. Se mesmo assim o motorista forçar, a caixa de câmbio pode estourar. Os prejuízos serão grandes!

Fonte: Revista Auto Esporte 

... Veja ofertas de Veículos Seminovos e Usados

Para proteger e melhorar a sua experiência no site, o Carros no Vale usa cookies :)
Ao navegar pelo site, você declara estar ciente dessas condições.